Potinhos

Quando o silêncio me interpela
é igual a uma rachadura na voz.

Isso me faz em caquinhos –
caso você não possa ver –

e me faz em pedacinhos
como se me fosse dissolver

(uma palavra ao fim do dia
basta para uma noite macia?).

Quando o silêncio me diz melhor
é seu discurso que me remodela.

Como, depois disso tudo,
eu pensaria em resistir?

Tudo o que penso foi refletido
por eras a fio, de espera –

quebrar-me, certo, mas para
voltar a caber em seus potinhos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s