A porta aberta

Entrarei em sua casa sem
nunca ter lido os seus livros.

E tomo da asa no escuro
(não a sã, mas a ferida),

depois entrego
meu sangue, e sou tragado

em silêncio
até perder outra vida.

Ficarei se for cedo,
concordo, mas,

no escuro, a porta aberta
também me indica a saída.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s