O céu ainda não está pronto

Não sei o que procuro tão longe,
eu não invento coisas contra a natureza.

Mais estrelas sob o tecido poroso,
alma das nuvens borrifadas,
não invento.

Não olho nem embaixo da cama
e deixo a porta sempre fechada.

Desorganiza-me o universo
e a obsessão dos quasares
onde eles nem desejariam ser vistos.

Não entendo do que adiantaria.

Mas não resisto.

Há muito céu depois e também sobre
os dias desmoronados.

Nós somos incompententes
para sabê-lo, eu sei, mas foste
sem tempo que eu te avisasse
que o céu ainda não está pronto
como tu sempre me mostravas.

Sempre um pássaro, rastros dos aviões,
fiação dos postes, folhas anônimas
de árvores sem autonomia
o importunavam.

Sempre algo imperfeito, telhas
dobradas pelo vento, a imagem silenciosa
de casas, prédios, madeira, alvenaria.

A mão de alguém passando rápido
tocando um cão pela coleira.

Um cão pela coleira.

Eu diria que
havia muito que melhorá-lo,
sinceramente, mas a realidade
é densa e intratável e se afasta
para uma sorte de ignorâncias.

Será menos suportável de agora
em diante porque me dividias
nem que fosse a vez de um suspiro.

Não há outro céu que eu invente
e é com isso que mais me amedronto:
bem como este céu é incompleto
eu também não estava pronto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s