Arquivo da categoria: Poesia

Quintana e a produção social da poesia

Um dia perguntaram ao Mário Quintana como ele fazia poesia, se ele trabalhava muito nos versos, essas perguntas que sempre fazem aos poetas. O Quintana bateu com a mão no peito esquerdo (procurando cigarros) e depois fez da mão um copo vazio, voltado para cima. Ele disse que não fazia nem uma coisa nem outra. Que se a poesia é de ser feita, então ela seria uma coisa qualquer, como um tijolo ou uma geladeira. Que se ela é de criar, então seria uma criatura, uma manifestação do divino além das capacidades humanas. E antes de conseguir acender o cigarro e soltar a primeira baforada, o alegretense concluiu que o mais provável mesmo é que a poesia fosse de encontrar (nuinha em flor). E é por isso, disse já no meio da fumaça, que estamos todos perdidos..

Tudo pode inclinar-me

yeats

Tudo pode inclinar-me
W. B. Yeats
(13/06/1865 – 28/01/1939)

Tudo pode inclinar-me a que me afaste deste ofício do verso:
Antes já havia sido o rosto de uma mulher, ou pior —
As fúteis exigências do meu país regido por tolos;
Agora nada de melhor vem à minha mão
Do que este trabalho habitual. Quando eu era mais jovem,
Não daria um centavo por uma canção
Que o poeta não cantasse de modo
Que parecesse ter uma espada a postos nos seus aposentos;
Mas hoje seria, cumprido o que desejo,
Algo mais gelado e incomunicável que um peixe.